in

O Papel de um Investigador Forense Digital

 

A aplicação mais comum das investigações forenses digitais é desacreditar ou apoiar hipóteses perante um tribunal, criminal ou civil. No caso da descoberta eletrônica, um investigador também pode ser útil no setor privado, nos moldes de segurança corporativa e investigações internas. Seja qual for o caso, o trabalho de um investigador forense computacional segue um processo típico que começa com a apreensão de mídia e continua com sua aquisição, também chamada de imagem forense. É muito importante que o investigador tenha o máximo de informação possível antes de passar por essas etapas. Um primeiro passo é muitas vezes entrevistar qualquer pessoa que possa fornecer informações relacionadas ao caso.

Os procedimentos técnicos começam com a aquisição da evidência volátil, ou seja, os dados que podem mudar ou desaparecer rapidamente se forem tratados de maneira inadequada. Após este passo, o que pode ser difícil de executar, dependendo do nível de acesso que o investigador tem ao computador ou dispositivo digital. Em seguida, vem a aquisição de armazenamento físico, incluindo cartões de memória, discos rígidos, discos removíveis ou drives USB, que serão imaginados forense, a fim de garantir a continuidade do sistema operacional, ao mesmo tempo, usando os dispositivos como prova.

O mundo da forense digital é fascinante, mas também desafiador e exigente. Um bom investigador forense computacional deve não apenas ser altamente treinado e experiente no campo, mas também capaz de sair do mundo técnico para o tribunal. Testemunhar é provavelmente a parte mais desafiadora do trabalho de um investigador. No tribunal, é preciso ser capaz de traduzir a linguagem forense técnica para conceitos situacionais que as pessoas possam entender. Não importa quão perfeita seja uma investigação, uma apresentação ruim no tribunal pode matá-la.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Quão grande é o Big Data?

O básico da descoberta eletrônica: parte 2 de 2